02. Somos Seres com Três Cérebros

Enneagram 2.0 podcast

02. Somos Seres com Três Cérebros

OUÇA O ORIGINAL EM INGLÊS

 

LEIA A TRADUÇÃO PARA O PORTUGUÊS

Urânio

Olá, bem-vindo ao Podcast do Eneagrama 2.0. Eu sou Urânio Paes.

 

Beatrice

E eu sou Beatrice Chestnut.

 

Urânio

E hoje, qual é o nosso tema Bea?

 

Beatrice

Hoje estamos falando sobre os três centros de inteligência do Eneagrama.

 

Urânio

Sim, somos seres com três cérebros, não é?

 

Beatrice

Sim, a maioria das pessoas, especialmente no Ocidente, pensa nos humanos como tendo um centro de inteligência, o nosso cérebro ou a mente. Mas, na verdade, de acordo com o sistema do Eneagrama, temos três centros de inteligência, três maneiras de processar informações do mundo exterior. Um centro mental, um centro de inteligência emocional, ou do coração, e um centro no corpo, na barriga.

 

Urânio

Sim. E mesmo se pensarmos no próprio cérebro, ele tem três grandes partes. O cérebro reptiliano, que está mais conectado ao instinto, o sistema límbico, que está mais conectado às emoções, e o neocórtex, que está mais conectado aos pensamentos. Certo, Bea?

 

Beatrice

Exatamente. Portanto, as três partes do cérebro se correlacionam com esses três centros de inteligência. Além disso, pesquisas recentes descobriram que, na verdade, temos células neurais em nosso intestino e em nosso coração.

 

Urânio

Sim, é muito interessante. E mesmo a memória não é apenas cognitiva. Nosso corpo e nosso coração armazenam memórias de todos os tipos. E a gente usa isso para trabalhar traumas e coisas assim. Agora, também é curioso Bea, às vezes falamos disso, que tudo no Eneagrama vem em três.

 

Beatrice

Verdade.

 

Urânio

Tipo, sempre precisamos pensar em três forças operando. Três centros de inteligência e o que mais?

 

Beatrice

Três tipos dentro de cada centro. E para cada tipo, existem três subtipos. Portanto, há na verdade 27 tipos. Mas sempre gosto de começar com três, porque três é um pouco mais fácil de entender do que nove ou 27. Embora tenhamos falado sobre os nove tipos em nosso último episódio, vamos falar um pouco sobre os três centros de inteligência hoje, porque às vezes acho que eles não são tão compreendidos como deveriam ser. E quando trabalhamos com o Eneagrama, pensar sobre os centros de inteligência e essas três diferentes formas de interagir com o mundo pode ser muito interessante por si só.

 

Urânio

Ah sim. Bem, antes de continuarmos, quero apenas mencionar que o Eneagrama vem em três, como dissemos, porque precisamos integrar todas as três forças das quais estamos falando. O significado mais profundo do estudo dos centros de inteligência é permitir que todos nós sejamos capazes de operar com todos os três. Portanto, não se trata apenas de definir qual é o seu centro de inteligência dominante, mas também ajudá-lo a abrir o acesso aos outros dois centros e, finalmente, tornar-se uma pessoa centrada nos três. Então, isso significa que se você é do tipo mental, você também pode acessar todos os seus recursos no seu corpo, sendo mais instintivo e também os recursos do coração, sendo mais emocional. E em todos os outros casos, para os tipos do centro do corpo e do coração.

 

Beatrice

Mas acho que precisamos começar um pouco mais no início. Acho que as pessoas que são novas no Eneagrama podem não entender o que são esses centros e como os tipos são orientados.

 

Urânio

E você precisa saber que na nossa dinâmica aqui, Bea às vezes me traduz. De duas maneiras, tanto no meu inglês engraçado quanto nas coisas que costumo aprofundar …

 

Beatrice

Ou ser mais complexo, talvez.

 

Urânio

Esse é o viés do nosso tipo. E talvez você esteja vendo agora, ou está ouvindo um exemplo meu, de como eu posso me tornar excessivamente mental. E como Bea pode se tornar muito empática com você, que está nos ouvindo, por causa do seu centro emocional dominante.

 

Beatrice

Estes são os centros de inteligência em ação agora.

 

Urânio

No momento! Somos sempre bons exemplos para mostrar a você, na verdade não apenas coisas boas, mas nossos próprios vieses.

 

Beatrice

Verdade. Então, para começar, todos nós temos esses três centros funcionando em nós se estivermos vivos. Todos nós temos um centro mental com o qual pensamos, todos temos um centro emocional e todos temos um centro instintivo. No entanto, quando começamos a nos identificar com uma personalidade desde o início, quando adotamos uma personalidade para sobreviver no mundo, por definição nos desequilibramos. E assim, usando mais um centro do que dos outros dois. Então, como dissemos, sou um tipo emocional, um dois. E vivo mais no meu centro emocional do que nos outros dois centros. E há muito sobre o Eneagrama da personalidade, sobre a compreensão de como estamos desequilibrados e não totalmente em contato com o todo, ou um eu superior e completo que poderíamos ser. O que é, claro, o trabalho de crescimento associado ao Eneagrama.

 

Urânio

Eu gosto do que você está dizendo Bea, porque é arquetípico que todos nós desenvolvamos um centro dominante e meio que nos desconectamos dos outros dois. Então, não há por que se culpar, sabe, e pensar que estamos essencialmente errados. E realmente culpar não ajuda em nada no desenvolvimento. Portanto, é importante entender que todos vivemos neste estado, e somente quando vivemos neste estado de usar apenas um dos três cérebros, ou três centros, poderemos posteriormente abrir os outros dois.

 

Beatrice

Certo, o primeiro passo no trabalho do Eneagrama é sempre a auto-observação. Portanto, trata-se de compreender e observar como você opera no mundo. Como, por exemplo, para mim, quando eu era mais jovem, pedi um feedback a um amigo. E uma das coisas que ele me disse foi que às vezes ele pensava que eu era um pouco emotiva demais. E fiquei realmente surpresa com isso, porque sempre fui muito mental. Sabe, eu cresci em um contexto em que a educação era muito valorizada. E assim, acho que desenvolvi o meu intelecto. No entanto, quando ele apontou isso, eu realmente percebi que, na verdade, muitas vezes, eu era excessivamente emocional. E, claro, fiquei sensível e emocionada ao ouvir isso, mas foi útil porque comecei a ver como às vezes, quando eu pensava que estava pensando objetivamente, ou apenas analisando uma situação, o que eu estava pensando era muito influenciado por minhas emoções.

 

Urânio

Sim, faz sentido para um tipo emocional. E mesmo a primeira reação, a surpresa, pode ter sido emocionante.

 

Beatrice

Verdade. Sentir-se surpresa e talvez, para ser sincera, um pouco magoada e me sentindo criticada. Acho que um dos aspectos de ser um tipo emocional, e especialmente dois como eu, é que posso ser facilmente magoada pelas coisas. E isso é um tipo de excesso de sensibilidade que pode vir de ser um tipo de coração, estar centrada nas minhas emoções.

 

Urânio

Então, também posso compartilhar um exemplo de mim mesmo com você, que está ouvindo, só para ver o quão diferente eu posso ser de Bea, como um tipo mental. Então, na adolescência, eu tinha uma namorada e decidi terminar com ela. E eu fiz o que considero ser a coisa mais brilhante de todas, que foi explicar a ela os vários motivos que faziam sentido para nós terminarmos. E aí, depois que eu fiz meu discurso muito bem construído, ela só falou: “Sabe, estou me sentindo magoada com você agora, porque você só está tentando explicar tudo”. Eu não diria que fiquei surpreso, porque, a maneira como funciono como um cinco é assim: Eu fiquei chocado. E eu realmente não senti muito na hora, mas estava meio paralisado. Mas isso me fez pensar muito e ver como eu era muito mental e o quanto eu estava desconectando das minhas emoções.

 

Beatrice

E eu acho que outra coisa que acontece com os tipos mentais, e talvez você possa nos dizer como isso acontece exatamente, é que eles podem pensar que estão sentindo uma emoção, mas na verdade podem estar apenas pensando sobre a emoção.

 

Urânio

Sim, e também sensações da mesma forma. É como usar a mente como uma intermediação para todas as outras coisas. Porque, você sabe, lá no fundo temos medo.

 

Beatrice

Ou um intermediário.

 

Urânio

Obrigado por corrigir meu inglês. Adoro aprender.

 

Beatrice

Eu odeio interromper você.

 

Urânio

Não, não. E não vou ficar surpreso, chocado ou magoado, certo?

 

Beatrice

Ah, certo. Eu preciso lembrar disso.

 

Urânio

Sim. Certo. Então, Gürdjieff, Bea, costumava dizer que…

 

Beatrice

E lembre-se, Gürdjieff foi um místico armênio que viveu na primeira parte do século 20, nascido, eu acho, por volta de 1890.

 

Urânio

Antes disso, década de 1870.

 

Beatrice

Sim, e ele era um místico que viajou por todo o mundo em busca da verdade e sabia muito sobre várias coisas. E ele é a fonte de onde obtemos muitas de informações sobre o significado mais profundo do símbolo do Eneagrama, e também um caminho de trabalho interior, chamado O quarto caminho, que ele ensinou muito, sobre como podemos nos transformar e alcançar nossas capacidades superiores.

 

Urânio

Sim, obrigado por resumir um pouco de quem ele é. E, na verdade, O quarto caminho significa o trabalho com todos os três centros, ao mesmo tempo. Ele dividiu todas as tradições espirituais e escolas de sabedoria em termos de qual centro eles se concentravam mais. E disse que achava melhor trabalhar com os três centros ao mesmo tempo, e até de forma confusa para os alunos, para que eles não se acomodassem.

 

Beatrice

Então, me corrija se eu estiver errada, porque acho que você sabe um pouco mais sobre isso do que eu. Mas ele disse que, por exemplo, o Cristianismo era um caminho baseado no coração? O Budismo seria um caminho baseado na cabeça ou na mente, e o Islã um caminho baseado no corpo?

 

Urânio

Não, na verdade, o Islã também é um caminho baseado no coração. É muito sobre devoção e citação de Deus.

 

Beatrice

Eu sei que o Sufismo é. Pensei que nossos amigos muçulmanos tivessem dito que a religião muçulmana é um caminho parecido com o um.

 

Urânio

Bem, sim, mas isso não significa que seja baseado no caminho do corpo. Um caminho do corpo seria mais o Hinduísmo, sabe, controlar o corpo. Na verdade, Gürdjieff disse que o primeiro caminho é o caminho do faquir.

 

Beatrice

Ou yoga, de alguma forma.

 

Urânio

Sim, yoga é muito baseada no corpo. Ou mesmo pessoas que, muitas vezes, fazem trabalho de autodesenvolvimento por meio do Pilates, ou por serem atletas. Isso é autoconhecimento, autoconhecimento do corpo e controle do corpo. E é uma forma muito válida. A segunda maneira é usar o coração, como em estados devocionais, como em oração.

 

Beatrice

Focando em amar a Deus e o poder superior.

 

Urânio

Exatamente. E a maioria das religiões ocidentais seguem o segundo caminho. O budismo, por exemplo, é o terceiro caminho. Não é a única. Taoísmo e outros também. Mas de qualquer maneira, é interessante esse conceito de usar os três. Não apenas para tradições espirituais, mas também para nós. Então, o que Gürdjieff disse foi, nós somos sub-humanos se não usarmos os três. Ainda não somos humanos. Portanto, ser humano significa para nós usar os três. Agora, isso pode parecer um conceito simples, mas vamos pensar em um exemplo específico. Imagine que estamos acordando, começando do nosso dia, usando os três centros da maneira que deveríamos, certo?! E como seria isso? Quando acordamos, imediatamente esvaziamos nossa cabeça de qualquer sonho que estamos tendo. Chegamos ao nosso corpo, nos espreguiçamos, sentindo o corpo, depois nos levantamos sem muita demora. E estando em contato com o nosso corpo, vamos ao banheiro fazer, mecanicamente, nossas necessidades básicas da manhã. Então voltamos sem pensar em nada. Voltamos e vemos alguém que mora conosco, e então saímos do nosso corpo e vamos para o nosso coração. Vemos a pessoa e sorrimos, ou nos comunicamos ou apenas externamos quaisquer emoções que surgem e nos relacionamos com ela. E então, depois de um tempo, saímos do coração e vamos para o corpo para andar. Então precisamos pensar sobre o dia, chegamos à cabeça e pensamos sobre isso. Então, esse discernimento de qual centro é o certo para usar o tempo todo é o que é necessário. Gürdjieff era bastante exigente. Ele dizia que o trabalho começa quando a gente consegue equilibrar os três centros, e não acaba aí.

 

Beatrice

Verdade. Ele também disse que um dos primeiros passos no trabalho interno é observar o trabalho errado dos centros.

 

Urânio

Porque eles roubam energia um do outro o tempo todo.

 

Beatrice

Certo, então precisamos observar, estamos fazendo certas tarefas usando o centro apropriado, usando o centro que é mais adequado para fazer aquela tarefa específica? Por exemplo, às vezes você dá o exemplo de dirigir como uma tarefa que é melhor executada a partir do centro do corpo ou do centro do movimento. Que se dirigirmos usando nossas emoções, ou nosso coração, por exemplo, essa não é realmente a maneira certa de fazer isso. Porque, algumas pessoas que conheço dirigem com o coração, isso significa parar muito rápido quando há um sentimento ou talvez dirigir com raiva, o que pode ser perigoso.

 

Urânio

Sim, às vezes consigo dirigir com a cabeça quando não estou realmente presente. E isso significa que eu me perco, que estou distraído e assim por diante. Porque a cabeça é muito mais lenta que o coração. E o coração é mais lento que o corpo. Na verdade, ouvi uma vez que um pensamento tem a velocidade de x, uma emoção tem a velocidade de 10 X, e a sensação no corpo, um instinto tem a velocidade de 100 X. Mas mesmo pessoas que são tipos instintivos, ao dirigir podem cometer erros, porque eles estão em um único centro. Hoje em dia, por exemplo, é mais fácil dirigir com o GPS, que todos nós temos. Mas alguns tipos instintivos querem apenas dirigir com a barriga, intuindo aonde precisam ir em seguida. E eles perdem a oportunidade de serem mais efetivos para chegar aonde precisam ao usar um recurso mental chamado GPS.

 

Beatrice

Verdade. Também notei alguns noves que tendem a ser muito tranquilos, relaxados e amigáveis dirigem muito rápido. Por algum motivo. Talvez seja uma coisa do corpo, mas eles dirigem surpreendentemente rápido. De repente, há uma espécie de leveza e força que os faz andar muito rápido de carro.

 

Urânio

Sim, interessante. Eu não tinha pensado nisso. Agora, talvez possamos conversar um pouco mais sobre os três centros. E o que realmente significa ser alguém que tem o centro dominante em uma das tríades. Porque eu acho que você e eu temos a impressão de que a maioria das pessoas não sabe realmente como é ser um tipo instintivo, um tipo emocional ou mental.

 

Beatrice

Eu concordo. E especialmente porque esses três centros são muito básicos, eles estão em um nível mais profundo, conectados aos comportamentos e padrões em um nível mais fundamental do que o tipo. Então, acho que é realmente importante entender o que é ser um tipo emocional e como eles funcionam em comparação com um tipo mental ou instintivo. Eu sei, por exemplo, quando ensinamos e treinamos profissionais como coaches, terapeutas, líderes, líderes espirituais a usar o Eneagrama de maneira eficaz, falamos muito sobre as diferenças quando você está trabalhando, até sobre como você deve sentar-se com um tipo mental versus um tipo emocional versus um tipo instintivo. Como você se conecta com a energia deles para ter um bom relacionamento com a pessoa com quem está trabalhando.

 

Urânio

E as pessoas geralmente ficam muito surpresas com o que aprendem.

 

Beatrice

E é engraçado porque, à medida que ensinamos isso, percebi como cometi alguns erros no passado.

 

Urânio

Ah, cometi muitos erros com você.

 

Beatrice

E eu pensava, não é de admirar que aquele cliente cinco nunca voltou ou, não é de admirar que o oito nunca tenha voltado depois daquela primeira sessão, quando eu não percebi o que significava estar lidando com um oito, em termos de como era ser centrado no instinto e não no coração como é o meu caso.

 

Urânio

Então, um dos benefícios de aprender sobre isso é se relacionar melhor com pessoas de centros diferentes. E se você estiver trabalhando com pessoas de centros diferentes, você pode se comunicar com as pessoas mais facilmente, verdadeiramente.

 

Beatrice

E eu sei que às vezes você ainda fica perplexo comigo, como um centro emocional, certo?

 

Urânio

O que quer dizer?

 

Beatrice

Percebo que às vezes ainda é difícil para você lidar comigo vindo do centro do coração.

 

Urânio

Da mesma forma que você comigo, não é?

 

Beatrice

Sim. Pode ser tão surpreendente…

 

Urânio

Mesmo quando sabemos de tudo isso, ainda é difícil. Se não fizermos nosso trabalho.

 

Beatrice

Temos que estar presentes. Estamos fazendo o nosso melhor.

 

Urânio

Sim, às vezes temos momentos difíceis. Mas geralmente você passa por eles e tudo fica melhor. Sabe, é importante ter bom humor. Mas de qualquer maneira, vamos falar sobre os tipos instintivos. Então, o que acha? O que realmente significa ser um tipo instintivo, ter o centro instintivo como dominante?

 

Beatrice

Bem, acho que há uma espécie de ancoragem e presença no corpo físico que é realmente primária. É claro que nem todos os tipos instintivos estão sempre enraizados no corpo de uma maneira saudável o tempo todo. Mas quando eles ancoram seus corpos, fazem isso naturalmente, de forma que os tipos dos outros centros não necessariamente sentem tão facilmente.

 

Urânio

Sim, concordo plenamente com você. Só quero fazer um discernimento entre o que você chamou de aterramento e o que às vezes as tradições espirituais e algumas boas linhas psicológicas chamam de presença. Portanto, presença é estar nos três centros, estar pleno no corpo. Não é necessariamente que os tipos de corpo estejam presentes nesse sentido, mas eles estão realmente presentes no corpo e sendo mais energizados no corpo, mais conscientes do corpo, como você disse. E o que mais é importante? Acho que poderíamos mencionar que os tipos instintivos são mais baseados em sensações. As sensações tornam-se a principal forma de perceber a realidade. É através dos cinco sentidos. Quais são os cinco sentidos? Me ajude com o inglês. Paladar, tato, olfato, audição e visão. Esses cinco sentidos integram o que chamamos de sensações. E algumas pessoas confundem instintos com intuição. Não é a mesma coisa. Não estamos dizendo que os tipos instintivos, oito, nove e um são intuitivos. A diferença é que o instinto é mais espontaneidade do corpo, enquanto a intuição é a espontaneidade da alma. É o sexto sentido, certo? Então, não é o sexto sentido aqui, são os cinco sentidos. Os tipos instintivos sentem essas sensações primeiro e, em seguida, têm acesso às emoções e pensamentos. Então, é na verdade sobre a ordem dos fatores aqui, o que usamos primeiro, como a informação está entrando em nós, o que é o portal.

 

Beatrice

Acho que, para os tipos instintivos, também se trata da experiência, em oposição a emoção ou pensamento. Um amigo meu que é nove, que é um tipo instintivo, diz que quando ele está tentando tomar uma decisão, pode ser muito difícil para o nove tomar decisões. E ele vai e volta em sua mente, mas ele disse que se ele pode experimentar uma opção ou outra, então ele pode saber rapidamente. Então, ele pode provar, ele pode testar como seria realmente ter a experiência de escolher uma coisa ou outra. E uma vez que ele se permite ter aquela experiência quase sensorial, se torna muito claro para ele o que deve fazer.

 

Urânio

Isso é um bom ponto. Portanto, os tipos instintivos podem simplesmente não entender algo do ponto de vista mental ou sentir que querem fazer algo, emocionalmente. Eles precisam ir, fazer, tentar, ver o que acontece. É como tocar com as mãos, sabe. Isso é muito importante. O que você chama de experiência. Então, eu acho, Bea, que a definição de instinto mais brilhante que eu já vi foi da minha filha, quando ela era extremamente jovem, acho que ela tinha quatro, cinco ou seis anos. E ela me disse um dia “Pai, eu tive uma experiência que acho meio esquisita. Você promete não me julgar?” E eu disse, “claro, minha querida, não vou te julgar.”

 

Beatrice

E sua filha é um tipo instintivo, certo?

 

Urânio

Sim, acho que ela é instintiva. Concorda?

 

Beatrice

Sim.

 

Urânio

Sim. Então, ela provavelmente deve ter um oito, mas ela não sabe ainda. Aí ela disse que dentro da barriga ela, ela sentia que tinha um tubo, como um tubo de ensaio, é esse o nome?

 

Beatrice

Sim.

 

Urânio

E que quando algo certo acontecia, aquele tubo se enchia com uma luz de cor verde. E quando algo estava errado, se enchia com a cor vermelha.

 

Beatrice

Interessante.

 

Urânio

Como um semáforo. E ela me deu um exemplo de quando ela estava fazendo um teste na escola e se ela dava a resposta errada, o tubo se enchia com tinta vermelha. Mas o que ela me disse depois que me chocou foi: “Eu acho isso uma loucura, pai. Não posso falar com os professores sobre isso e tenho medo até de falar com você sobre isso”. E minha reação foi: “Você pode me ensinar como fazer isso? É a coisa mais brilhante que já ouvi!”.

 

Beatrice

É brilhante!

 

Urânio

Porque, na verdade sabe, nós realmente não valorizamos. A gente fica sem entender. Como sociedade, subestimamos um pouco a inteligência instintiva. Exatamente o que ela disse. É um conhecimento por meio de sensações. E ela falava de uma coisa que ela sente dentro do corpo, e ela visualiza, ela até cheira, sabe? Então, é uma maneira de saber que é muito direta, e pelo menos tão importante quanto o saber da mente e o saber do coração. Não falamos muito sobre isso. Sabe, na ciência, por exemplo, falamos muito sobre a mente, a inteligência cognitiva. Depois começamos com Daniel Goleman, décadas atrás, a falar sobre Inteligência Emocional. Mas poucas pessoas falam sobre inteligência corporal.

 

Beatrice

É verdade. E a inteligência instintiva é muito pouco compreendida e certamente não é falada. Eu vi algumas pessoas falando sobre isso em uma conferência de Eneagrama uma vez. E eles falaram sobre como acreditavam que muitas crianças têm problemas na escola porque são tipos instintivos, têm inteligência instintiva e isso não é compreendido. Nossas escolas são orientadas para os tipos mentais.

 

Urânio

Os professores são selecionados apenas se não forem do tipo instintivo.

 

Beatrice

E também, as coisas que as pessoas fazem na escola. Tipo, eles falaram sobre como marchar, fazer formação e fazer atividades físicas eram realmente importantes para crianças instintivas e isso nem fazia parte do currículo. E então, quando algumas dessas crianças agem mal ou ficam inquietas, elas são medicadas ou algo assim. Eles se transformam em um problema e tudo se resume ao fato de que realmente não entendemos a inteligência instintiva como deveríamos.

 

Urânio

Isso é muito ruim e quando não estamos realmente abertos para aprender com a diferença, pensamos que o problema é quem é diferente de nós. Sabe, tem um poeta no Brasil que dizia que “o inferno são os outros”. E não foi só ele que disse isso. Então, estou muito interessado no que você acabou de dizer. O que mais você acha que poderia nos ajudar a valorizar a inteligência instintiva? Ou quem não é instintivo, como poderia desenvolver isso, como você falou? Já vi você falando sobre rotina como algo importante para isso.

 

Beatrice

Sim, acho que tudo o que acontece aqui e agora o corpo é, por definição, o único desses três centros que está focado no momento presente. Então, acho que precisamos de uma revolução em nossa cultura que reconheça a inteligência instintiva como igual ao centro de inteligência mental e emocional. Acho que mesmo agora, ainda privilegiamos a mente ao coração. Mesmo entendamos o que é inteligência emocional muito mais do que antes. Ainda existe uma ideia em certas culturas, há um estigma contra ser muito emocional. Então, acho que temos um longo caminho a percorrer para ver essas três funções ou esses três centros como igualmente importantes e precisando ser equilibrados, idealmente.

 

Urânio

Ótimo. Basicamente, desenvolver os cinco sentidos e nossa capacidade de estar em contato com eles e de absorver informações deles é uma coisa brilhante de se fazer para desenvolver o centro instintivo.

 

Beatrice

E eu sei que alguns de nós, muitos de nós, muitas vezes não temos contato com nossos corpos. Mesmo os tipos instintivos podem estar fora de contato com seus corpos. Me lembro de quando estava fazendo meu treinamento psicoterapêutico e fiz um curso de Gestalt. E a Gestalt é uma terapia muito baseada no corpo e na experiência aqui e agora. O que sempre nos perguntavam: “o que você está sentindo no seu corpo agora? O que você está sentindo em seu corpo agora? O que você sente no seu corpo agora?” Claro, isso foi há 20 anos. E eu sempre fiquei muito frustrada, porque a resposta é sempre “nada, não estou sentindo nada, ou, estou me sentindo bem”. E o que eu acho que estava acontecendo é que eu estava meio separada do meu corpo. E era difícil ver e perceber isso, e saber com confiança que poderia desenvolver uma conexão mais forte.

 

Urânio

E quão importante foi para você, Bea, desenvolver essa consciência corporal e ficar mais consciente no centro do corpo?

 

Beatrice

É muito importante. Acho que uma coisa que me ajudou é que fui atleta desde criança, pratiquei esportes desde criança. Então isso certamente ajudou. Sempre fui muito grata a meu pai, que primeiro me fez jogar softball e depois futebol. Mas outra parte, eu acho, é continuar a se exercitar e fazer coisas que nos colocam em contato com o corpo, todos os dias. Certamente, o Yoga é uma forma fantástica de entrar em contato com o corpo. Acho que existem diferentes práticas meditativas baseadas no corpo. E eu acho que todas essas coisas podem ser importantes para desenvolver uma conexão contínua com o corpo, ou mesmo ser capaz de ver quando você não está conectado ao ele e agir para se tornar mais conectado.

 

Urânio

Preciso me inspirar mais em você e me exercitar mais, especialmente andar mais pela manhã, antes de ensinarmos o workshop, como você faz. Você anda muito. Na verdade, fico um pouco envergonhado em ver você, sabe. Você é um bom exemplo para mim e preciso segui-lo.

 

Beatrice

Sim. E sempre que digo “Você não gostaria de andar?” Você diz: “Gosto de ter caminhado, mas não gosto de caminhar”. Mas acho que posso continuar a pressioná-lo a desenvolver o gosto por se exercitar.

 

Urânio

Vou tentar me abrir mais às suas sugestões. Mas também tive uma explosão de sensações durante uma meditação, muitos, muitos anos atrás. Digo, 15, 20 anos atrás. E isso fez uma grande diferença na minha vida. Agora, no meu caso, por exemplo, sou um cinco e, portanto, um tipo mental. E desenvolvi as sensações em seguida. Mas as emoções são algo que venho desenvolvendo cada vez mais nos últimos anos. Então esse é o terceiro centro que estou integrando. Mas o que quero dizer é que conheço muitos outros cincos que abriram o centro emocional antes do centro do corpo, como um segundo centro. Então, só quero salientar que, pelo menos não concordo, quero ver sua opinião, com abordagens que dizem que cada um dos nove tipos desenvolve sempre um segundo centro específico após o dominante. Acho que não há regra para isso. Acho que depende muito de quem é a pessoa e das experiências de vida. O que você acha?

 

Beatrice

Sim, concordo. Eu acho que depende da pessoa. Mas espero que você se apresse e desenvolva sua conexão com as emoções para que possa me compreender melhor.

 

Urânio

Você precisa me emprestar um pouco das suas lágrimas.

 

Beatrice

Vou tentar trabalhar nisso.

 

Urânio

É tão fácil para você chorar e tão difícil para mim.

 

Beatrice

É difícil para mim não chorar, na verdade.

 

Urânio

Muito difícil para mim chorar. E não se trata de ser mulher ou homem, tem a ver com as tríades, eu acho.

 

Beatrice

Sim, tem a ver com estar ou não nesses centros.

 

Urânio

Bem, eu admiro você por sua abertura no coração. Então, vou tentar fazer mais isso.

 

Beatrice

Acho que precisamos passar para o centro do coração, falando nisso. Mas antes de fazermos isso, quero dizer mais uma coisa sobre o centro instintivo. Ultimamente, tenho trabalhado muito para entrar em contato com minha intuição. O que, como você disse, é algo mais sobre a alma do que o corpo. Mas acho que as pessoas experimentam sua intuição de maneira diferente.

 

Urânio

E às vezes por meio de um desses três centros.

 

Beatrice

Exatamente. E o que tenho aprendido sobre mim é que, quando se trata de intuição, recebo muitas informações por meio do meu corpo. O que é muito interessante. Às vezes, através do meu coração também. Às vezes, quando estou me sintonizando, sento uma grande emoção, mas muitas vezes tenho uma sensação em uma parte ou outra do corpo que me dá informações. Isso tem sido muito interessante. Então, nem sempre desenvolvemos nossa capacidade de acessar a intuição somente no centro em que estamos baseados.

 

Urânio

É bom lembrar que talvez possamos falar sobre isso em um podcast futuro.

 

Beatrice

Vamos fazer uma pequena pausa.

 

Man

O podcast do Eneagrama 2.0 vai ao ar quintas-feiras alternadas nas principais plataformas. Torne-se um membro agora em Chestnut Paes online para muito mais conteúdo sobre Eneagrama da Bea e o Urânio. Inscreva-se no plano anual e tenha acesso a centenas de arquivos de áudio, vídeos, aulas mensais online, artigos e até workshops de Eneagrama online completos. É um ótimo valor, visite www.cp enneagram.com

 

Urânio

Vamos passar para a tríade emocional. Como é ser um tipo emocional?

 

Beatrice

Oh, é muito difícil.

 

Urânio

Você já está sentindo?

 

Beatrice

Muitas vezes somos mal compreendidos, o que não é fácil. Acho que é… Quer dizer, nem sempre estive conectada ao meu coração da maneira como estou agora. Então, precisamos dizer que parte do desenvolvimento geral para todos nós é ter mais acesso ao centro em que já estamos baseados. Então, quando eu era mais jovem, e acho que isso faz parte de ser do tipo dois, não estava tão conectada às minhas emoções. Digo, eu ficava emocionada, mas nem sempre sabia exatamente o que estava sentindo. Era mais uma resposta automática que nem sempre conseguia gerenciar ou mesmo compreender. Quando comecei a fazer terapia, quando eu tinha de 20 para 30 anos, meu terapeuta me dizia, como um terapeuta faz: “O que você está sentindo agora, o que você está sentindo agora?”. E muitas vezes minha resposta era que eu não sabia. E os primeiros anos de minha terapia foram todos para me tornar mais conectada às minhas emoções. Agora, novamente, isso não significa que eu não estava vindo das minhas emoções. Só que nem sempre estava acessando minhas emoções de forma clara ou coerente. Mas com o tempo, conforme trabalhei nisso, tornei-me mais capaz de rotular minhas emoções e entender o que estava sentindo no momento. E agora eu diria, muitos anos depois, sou muito emocional. Normalmente entendo muito bem o que estou sentindo quando isso acontece. E agora é mais sobre como gerenciar minhas emoções. Eu sei quando estou com raiva, sei quando estou triste, às vezes tenho uma reação emocional e preciso descobrir se há uma combinação de sentimentos. Mas eu diria que geralmente sou muito emotiva e experimento a vida por meio das minhas reações emocionais, ou evito coisas para evitar me sentir mal.

 

Urânio

Então, eu acho, me corrija se eu estiver errado, que você está se referindo a algumas coisas específicas do tipo dois, dentro da tríade emocional, porque é mais fácil para eles estarem em contato com as emoções dos outros do que com as suas próprias, certo? E outra coisa é, embora você não estivesse muito em contato com as suas próprias emoções no começo, eu sei que agora você está, você já era emotiva, no geral, certo? Você sempre foi emocional, mas não necessariamente ciente das suas próprias emoções. Isto está certo? É uma boa descrição ou não?

 

Beatrice

Bem, eu diria que nem sempre eu tinha clareza do que estava sentindo no momento e não saberia descrever com precisão.

 

Urânio

Mas você era emocional por dentro, pelo menos?

 

Beatrice

Eu diria que sim. Novamente, eu tinha reações emocionais, mas às vezes me pegava de surpresa ou, às vezes, se você me perguntasse o que eu estava sentindo e por que, eu não saberia responder. Então, eu tive que trabalhar para desenvolver consciência das minhas respostas emocionais, digamos.

 

Urânio

Faz sentido. Agora, às vezes fico surpreso com a capacidades que tipos emocionais como você tem. E quero começar a falar sobre isso, é difícil descrever, então talvez você possa explicar melhor. É como se não fosse cognitivo. E os tipos emocionais têm essa capacidade de sentir tudo o que qualquer outra pessoa na sala está sentindo, só da pessoa entrar na sala. É como se houvesse uma antena no coração que entra no coração da outra pessoa e apenas sente o que a outra está sentindo. É obviamente diferente da capacidade de sentir empatia, mas é uma capacidade do coração de se sintonizar com os sentimentos das outras pessoas. Dependendo se é do tipo dois, três ou quatro, acontece uma adaptação para corresponder aos sentimentos da outra pessoa, mas não necessariamente. É uma sabedoria do coração, e é muito rápido e acontece o tempo todo, você nem precisa conhecer muito a pessoa. Embora possa ajudar se você a conheça. Eu descrevi corretamente? Você pode nos explicar essa coisa misteriosa, pelo menos para um tipo não emocional?

 

Beatrice

Sim. Eu acho que é misterioso para nós também, porque acontece sem que pensemos a respeito. É muito automático. E parte do que é interessante em ensinar isso às pessoas é que tivemos que pensar mais sobre algo que geralmente é muito inconsciente. Mas para mim, a maneira como eu falaria, e uma das coisas que notei quando ensinamos os três centros é que usar uma linguagem diferente dá uma sensação mais precisa do que está acontecendo. A forma como eu experimento, é como ler as pessoas energicamente. Agora, é uma leitura do estado emocional, mas às vezes terei uma sensação imediata se alguém gosta ou não de mim, se alguém me deu abertura ou não, posso ler como a pessoa está se sentindo. É quase como: Alguém está disponível para mim ou não? Alguém está se sentindo bem comigo ou não? Este é um pouco mais do ângulo do tipo dois também, eu acho. Mas geralmente é uma sensação de ser capaz de ler as pessoas ou, de sentir como as pessoas estão se sentindo. Sei, por exemplo, que quando estou dando uma palestra na frente das pessoas, estarei me sintonizando às pessoas que sinto que estão comigo. Sabe, pessoas que estão se conectando com o que estou dizendo ou gostando do que estou dizendo. Às vezes eu olho para as pessoas e penso, “ou elas não gostam do que estou dizendo ou não estão realmente ouvindo o que estou dizendo”. E claro, isso me incomoda e eu volto a procurar pessoas que estão me aprovando para me fazer sentir melhor. Mas existe esse tipo de sentimento do coração se conectar ou ler as pessoas.

 

Urânio

Então, acho isso brilhante e gostaria de ter um pouco mais disso. Agora, parece-me que o fundamental é entender que quem está lendo é o coração, não o intestino, como acontece com os tipos de corpo, quando tentam sentir tudo ao seu redor. Tipo, o coração é aquele que lê a situação, obtém a informação primeiro e depois a espalha para o resto dos órgãos ou para todo o ser. Isso corresponde à sua experiência? Como se o coração fosse o responsável por tudo isso?

 

Beatrice

Sim, e nem parece que está envolvendo outras partes. Não espalha a informação, é o órgão que está lidando com a coisa toda.

 

Urânio

E isso é muito, muito diferente dos tipos instintivos e mentais. Agora, tenho mais uma pergunta para você. Antes de falarmos brevemente sobre como pessoas de todos os tipos podem desenvolver a capacidade emocional. Minha pergunta é, você descreveu em seus livros, em seu trabalho, algo que eu realmente aprecio. Você diz que a emoção central para os tipos de coração é a tristeza. E isso é novo, até o seu livro, os autores costumavam dizer coisas diferentes, como vergonha ou imagem. Ou apenas, sabe…

 

Beatrice

Ou apenas sentimentos.

 

Urânio

Sim. Conte-nos!

 

Beatrice

Então, eu acredito fortemente que a emoção central dos tipos emocionais é a tristeza. A emoção central para os tipos instintivos é a raiva, a emoção central para os tipos mentais é o medo. E é tristeza para os tipos emocionais. Acho que vem do trabalho de Oscar Ichazo, a fonte de todas as informações do Eneagrama na era moderna, o que ele disse é que essas são as três emoções. Mas também acredito que a tristeza é gerada nos tipos emocionais a partir de uma experiência precoce de não ser visto e apreciado por quem realmente é. Acho que nós, tipos emocionais, recebemos uma mensagem das pessoas ao nosso redor e novamente, inconscientemente, de que não somos amados por quem essencialmente somos, por nosso verdadeiro eu, mas pelo que fazemos pelas pessoas ou como nos apresentamos. Para o tipo dois, eles entendem a mensagem que quando você apoia outras pessoas ou quando está fazendo coisas para agradar ou doar aos outros, você é recompensado. Para os tipos três, acho que é quando eles realizam coisas, quando têm um bom desempenho, quando são produtivos, eficazes ou realizados que recebem o amor. E para os quatros, eu acho que eles têm a sensação de que é quando são vistos de uma forma única. E é por isso que eles costumam se expressar e querem ser compreendidos porque querem se destacar, querem ser vistos como únicos ou especiais. E eu acho que de todas essas três maneiras, é como se tivéssemos que fazer algo para obter o amor. Não podemos simplesmente ser amados como somos, e acho que essa é a fonte de uma tristeza fundamental que os tipos emocionais têm. E eu verifiquei isso com muitos outros tipos emocionais, especialmente as pessoas que trabalharam com o Eneagrama por um bom tempo e fizeram um trabalho interior, a maioria dos tipos emocionais que conheço concorda que é tristeza a emoção central dos tipos emocionais. Agora, isso não significa que os tipos emocionais andam tristes o tempo todo, assim como não significa que…

 

Urânio

Ou que todos os tipos não se sintam tristes.

 

Beatrice

Exatamente, ou que os tipos instintivos estão sempre com raiva ou que os tipos mentais estão sempre com medo.

 

Urânio

É mais central.

 

Beatrice

Exatamente. A relação com aquela emoção central molda o personagem. E em cada um desses três centros, há um tipo que exagera a emoção central, um tipo que subestima e um tipo que está no meio ou em conflito com ela. Acho que no centro emocional os quatros exageram na tristeza, os três a subestimam e os dois estão no meio e em conflito com ela. Às vezes eles reprimem, às vezes estão sentindo muito.

 

Urânio

E em termos de desenvolvimento emocional, me parece crucial para todos, de todos os tipos, estar em contato com todas as emoções, como raiva, tristeza, medo, talvez até felicidade. E também colocar-se na posição de sentir mais, o que quer que te faça sentir mais. Pode ser um filme, pode ser um relacionamento.

 

Beatrice

Sim, exatamente. Aumentar o volume dos sentimentos, tornar isso uma prática. Se sentir algo, tente entrar mais na emoção, tente entender o que está acontecendo e se dar mais espaço para estar em contato com mais emoções.

 

Urânio

Agora, e quanto aos tipos mentais Bea, qual a sua experiência comigo, por exemplo, como sócio e amigo, dado que sou um mental? O que é que te surpreende?

 

Beatrice

Então, os tipos cinco, seis e sete são tipos mentais e acho que me surpreende que se trate apenas de compreender e dar sentido mental às coisas, e isso é tudo. E muitas vezes há uma maneira de não estar conectado às emoções, ou ao corpo. Mas acho que é tudo sobre análise, se as coisas fazem sentido ou não, é sobre modelos mentais, é sobre compartimentação, é sobre diferentes formas de pensar. Mas o que você acha? Você é o especialista no centro mental, conte-nos qual é a sua experiência.

 

Urânio

Então, a experiência é que, por exemplo, durante os 30 segundos que você forneceu essas explicações de como você enxerga os tipos mentais, eu tive quatro ou cinco ideias diferentes sobre isso. Eu me lembro da primeira vez que eu te disse que este é o meu processo, que estou ouvindo, mas estou pensando enquanto ouço.

 

Beatrice

Tem muitos pensamentos diferentes enquanto ouve.

 

Urânio

Sua primeira reação foi: ele nunca presta atenção em mim!

 

Beatrice

Sim, não me admira que ele nunca ouça nada que eu digo, ele está tendo cerca de 100 pensamentos enquanto estou falando, como ele poderia estar entendendo?

 

Urânio

Não é verdade. Estou sempre prestando atenção em você. É que também estou tentando pensar em outras coisas novas e dar sentido às coisas. Portanto, se estou na minha personalidade, meu eu inferior, a cabeça literalmente não para e é muito mais ativa do que as pessoas que não são do tipo mental. E odeio quando as pessoas dizem que esta é a tríade intelectual. Não acho que somos necessariamente mais intelectuais do que outras pessoas. Acho que isso tem mais a ver com o grau de escolaridade que as pessoas tiveram e não com o tipo. E sobre usar a cabeça, mas não necessariamente de maneiras úteis, sabe. É um vício, um vício de usar muito a cabeça. Se estou muito na minha personalidade, estou pensando em qualquer coisa. Agora, mesmo quando estou em um lugar melhor, quando estou bem presente, minha cabeça ainda está operando dessa maneira. Tipo, quando você diz algo, estou entendendo isso em conexão com todo o resto. Usando a mente para entender o todo, fazendo associações com tudo. Por definição, viemos ao mundo sabendo como fazer a análise SWOT, como fazem as pessoas nos negócios. Pontos fortes, pontos fracos, oportunidades e ameaças e cenários e diferentes causas e consequências. Pensamos de forma complexa. Isso é um pouco do que significa ser um tipo mental para mim. E aí, o medo como emoção principal. Muitas vezes, é muito inconsciente, e não é qualquer tipo de medo, é o medo do desconhecido. Então, para mim é como se todos os tipos mentais, cincos, seis e setes tivessem algum tipo de intolerância contra o que eles não podem prever. Eles precisam antecipar mentalmente o que vai acontecer. Do contrário, eles não se sentirão bem e o medo é a intolerância ao desconhecido. Agora, existem diferentes tipos de medo. O medo do tipo cinco é mais medo de sentir. O medo do tipo seis é o medo de ser, ser a autoridade, e o medo do tipo sete é o medo do sofrimento. Então, usamos a cabeça para fazer associações e entender as coisas no quadro geral. E como você disse, na terapia e no coaching é mais da metade do caminho quando entendemos o problema. E muitas vezes, apenas pelo entendimento, sabemos a solução, e até sabemos o que fazer, de verdade. Muitas vezes, por sermos tipos mentais, precisamos de um empurrão.

 

Beatrice

Um empurrão para a ação.

 

Urânio

Para a ação. mas não é que não saibamos o que fazer. É como se quando as coisas fazem sentido, sentimos que estamos prontos. Então entender algo é talvez 70, 80% do que precisamos. E isso parece ser diferente para você ou outras pessoas que não são mentais, muito surpreendentemente!

Então, quão diferente é para você?

 

Beatrice

Bem, até a palavra compreensão pode significar coisas diferentes. Há compreensão mental, mas há compreensão emocional. Acho que uma das grandes coisas para nós, tipos emocionais, é que queremos ser compreendidos pelos outros e, muitas vezes, nos sentimos incompreendidos ou com medo de ser mal compreendidos. E isso é uma espécie de compreensão emocional. Mas acho que você está falando mais sobre uma compreensão mental, ser capaz de criar um modelo mental do que está acontecendo ou, como você disse, organizar seus pensamentos ou descobrir algo. Até mesmo a linguagem que estamos usando, a compreensão pode se aplicar a diferentes níveis. Como descobrir coisas, dar sentido às coisas, essas diferentes frases podem ser importantes para diferenciar o que são os diferentes centros.

 

Urânio

Sim, basicamente, a diferença entre os três centros é onde concentramos nossa energia vital. Por exemplo, os tipos mentais concentram a energia ao redor da mente. Tipos emocionais em torno do coração e tipos instintivos em torno da barriga. Portanto, quando aprendemos como redistribuir a energia por todo o corpo, estamos fazendo o trabalho de reequilibrar nossos centros de inteligência.

 

Beatrice

Sim, em nossos workshops ao vivo, às vezes fazemos as pessoas andarem ao redor colocando sua atenção em centros diferentes, fazendo coisas para evocar a experiência de ser um tipo mental, emocional ou instintivo. E muitas vezes é engraçado para as pessoas vivenciarem como é estar em um centro diferente daquele em que vivem. Tipo, eu me lembro, quando eu caminhava pela primeira vez tentando ter a experiência de um tipo mental, e sentia dor de cabeça ou tontura, ou parecia que ia cair. E as pessoas têm experiências diferentes quando tentam entrar em um espaço diferente daquele em que realmente vivem todos os dias.

 

Urânio

E isso é desenvolvimento. Não é fácil, mas é possível.

 

Beatrice

Exatamente. E experimentar algo novo pode abrir os olhos e dar uma noção de quais são as diferentes experiências, dependendo do tipo que você é.

 

Urânio

E então, finalmente, se abrem todos os três de uma vez. Agora, uma das maneiras de desenvolver a energia mental é fazendo coisas mentais, tipo ler notícias. E tenho visto muitos tipos que evitam fazer isso, que não são mentais, ou porque não gostam, mas às vezes vêm com a desculpa de que não se sentem bem em ler tantas coisas ruins.

 

Beatrice

Eles se sentem mal em saber o que está acontecendo no mundo.

 

Urânio

Ou sentem muito ao ler. Então, isso é algo que você pode fazer, se quiser desenvolver o centro mental. E a propósito Bea, acho que a literatura de autoajuda e alguns trabalhos recentes de diferentes linhas de autodesenvolvimento, de alguma forma demonizaram a mente. É como se precisássemos desenvolver apenas o coração. E não é verdade, as pessoas que não são mentais precisam desenvolver o espaço mental.

 

Beatrice

Sim. Faz sentido. E acho que nossa sociedade, especialmente no Ocidente, tem estado tão centrada na mente por tanto tempo, de maneiras muito inconscientes.

 

Urânio

É um grande retrocesso.

 

Beatrice

Sim, pode ser um retrocesso e gerar uma reação ao finalmente perceber “Uau, não temos honrado o coração ou o instinto de maneira nenhuma!”. E nosso sistema educacional é completamente voltado para o ensino mental.

 

Urânio

Verdade. E mesmo coisas como fazer palavras cruzadas, ou qualquer coisa, apenas conversar, promover discussões com outras pessoas pode ser útil para desenvolver a mente.

 

Beatrice

Sim, e certamente como um tipo emocional, foi importante para mim aprender a ser mais objetiva. A tirar a emoção de cena. E isso é algo que muitos tipos mentais fazem facilmente, o que é difícil para mim.

 

Vinheta

Top cinco

 

Urânio

Bea e eu decidimos incluir esta sessão chamada de Top cinco no final de cada um dos podcasts. Queremos que seja um momento divertido e leve. Pode ser os top cinco qualquer coisa relacionada ao Eneagrama. Hoje, vamos falar sobre os cinco tipos de personalidade do Eneagrama mais amigáveis. Pode ser mais amigável no sentido de felicidade, mas na maioria das vezes é parecido como sendo amigável. As vezes vamos falar não apenas dos tipos, mas também dos subtipos, podemos dizer nove sexual ou nove social em vez de apenas nove, ou não. É nossa escolha e está aberto. Agora, se você não sabe sobre o subtipo, não se preocupe, porque você aprenderá sobre isso à medida que gravarmos mais podcasts. E esta sessão pode ser útil para você também neste sentido. Então, qual é o seu número cinco Bea?

 

Vinheta

Cinco.

 

Beatrice

Meu tipo número cinco que, quando dizemos “na personalidade”, o que queremos dizer é, antes de se desenvolver, digamos, apenas a personalidade básica. Então, para o meu número cinco, coloquei quatro autopreservação. E este é um quatro que é um pouco diferente do estereótipo de quatro, no sentido de que pode ser um quatro mais alegre, é um quatro que internaliza algumas de suas emoções e geralmente tem uma cara feliz. Então, eles podem ser muito alegres e amigáveis e tentar fazer a coisa certa, por isso coloquei o quatro autopreservação como meu número cinco. O que você colocou?

 

Urânio

Então, eu fiquei na dúvida entre meu número cinco e quatro, qual seria a ordem, mas acabei colocando o seis autopreservação no número cinco. Este é um seis que se mostra de uma maneira muito calorosa e amigável, como uma estratégia para evitar problemas com qualquer pessoa. Os seis autopreservação geralmente estão sorrindo, ou contam piadas, ou são pessoas legais. E eles parecem ser amigáveis.

 

Beatrice

E é uma estratégia de enfrentamento para lidar com o medo, certo? Porque procuram protetores, aliados e amigos para não se sentirem tão sós e com medo. Então eles tendem a ser pessoas calorosas. Na verdade, o nome do seis autopreservação é “Afeto”.

 

Urânio

Sim. E na maioria dos casos, os mais amigáveis, talvez uma das coisas que eles precisam desenvolver é entrar mais em contato com a raiva, sabe. Esses tipos tendem a estar um pouco menos em contato com a raiva.

 

Beatrice

Estamos dizendo que não é bom ser amigável?

 

Urânio

Depende… quer dizer, pode ser bom na vida e de uma forma funcional. Mas se essas pessoas querem se desenvolver mais significativamente, podem precisar ser menos gentis.

 

Beatrice

Então, parte da defesa da personalidade é ser amigável, acho que isso é algo para se manter em mente.

 

Urânio

E também, não estar em contato com a emoção importante da raiva.

 

Beatrice

Verdade. Ser tão amigável, claro, pode ser bom. Mas ser amigável demais também pode ser uma forma de evitar outras emoções ou outras formas de se apresentar que podem ser mais autênticas.

 

Urânio

Então, meu número quatro é o sete social. Acho que esse sete específico não é apenas entusiasta, como o sete sexual. Esse é o tipo que parece ser muito legal com as outras pessoas, muito receptivo. E eles ouvem mais as outras pessoas e ajudam os outros quando eles estão em necessidade. Às vezes são muito altruístas e muitas vezes colocam as necessidades e prioridades das outras pessoas em primeiro lugar. Ajudam, fazem coisas que às vezes são inacreditáveis para ajudar os outros.

 

Beatrice

Então, meu número quatro, é engraçado, quando eu comecei, eu tinha o mesmo número cinco que você. Eu tinha seis autopreservação como meu número cinco, e depois troquei com o quatro autopreservação. Então, na verdade, o seis autopreservação está na quarta posição por muitas das razões que acabamos de descrever, por você ter colocado ele na quinta posição.

 

Urânio

Qual é o seu número três?

 

Beatrice

Meu número três é o sete. E não especifiquei um subtipo que fosse é mais amigável. Quando penso em todos os setes que conheço, acho que todos são muito amigáveis. Então, eu coloquei sete em geral como o terceiro tipo mais amigável. Muito amigável, geralmente.

 

Urânio

Você sabe quem eu coloquei no número três? Eu coloquei você Bea Chestnut!

 

Beatrice

Somente três? Eu? Eu sempre fico presa no três. Lembra que dois Top cinco atrás, eu fiquei no três também, e coloquei você no um.

 

Urânio

Vou fazer melhor da próxima vez. Duvido que você tenha colocado cinco social como eu em primeiro desta vez, mas tudo bem. Tão presunçoso. Dois é o meu terceiro. Eu acho que os dois realmente querem ser legais e parecerem amigáveis e fofos. E eles têm essa habilidade de fazer outras pessoas gostarem deles. Talvez sejam eles que se revelem os mais felizes, mas às vezes também os mais sensíveis e emocionantes. Eles geralmente são pessoas muito agradáveis de se conviver.

 

Beatrice

Estou ansiosa para pensar nos outros dois tipos que você acha que são mais amigáveis do que nós dois autopreservação.

 

Urânio

E você acabou de ouvir um exemplo de como o orgulho geralmente é a emoção aqui!

 

Beatrice

Não vou negar. Eu ainda me pego no orgulho. Isso é verdade.

 

Urânio

Então, qual é o seu segundo?

 

Beatrice

Então, meu segundo não é o tipo cinco. São os nove. Nove em geral. Novamente, tentei pensar nos três subtipos. Acho que talvez os noves sociais sejam um pouco mais amigáveis, mas acho que todos os noves são bem amigáveis. E então, coloquei nove como o número dois.

 

Urânio

Então, meu número dois é o nove social. Acho que na verdade este é o segundo mais amigável do Eneagrama. E eu acho que eles estão realmente abertos a todos que se aproximam deles. Todos os meus amigos nove sociais são tão receptivos. Às vezes eles também podem ser um pouco violentos, enérgicos, sabe, mas talvez seja apenas uma questão de fazer as coisas acontecerem que é difícil para eles irem contra. Somente os nove sociais que se desenvolvem mais fazem isso e se tornam um pouco menos legais. É paradoxal. Porque este é um exemplo em que tornar-se menos simpático é um sinal de desenvolvimento. Mas na personalidade, eles tendem a conhecer todo mundo. É aquele tipo de pessoa que quando você está saindo de uma reunião social, ela demora muito mais para sair porque conhece todo mundo, e começa a falar com todo mundo. E eles se envolvem em conversas com quase todo mundo, mas isso também é por ser amigável. Agora, meu número um é o nove sexual. Acho que os noves sexuais tendem a ser um pouco mais amigáveis às vezes do que os noves sociais. Mais ainda. Talvez eu possa estar errado. Mas esta é minha primeira impressão, dado vários noves sexuais que conheço. Eu acho que eles são, como você explica, eles tendem a ser não muito agressivos, muito amigáveis. Talvez o nove social tenha um pouco menos tempo para as pessoas, porque eles são mais workaholics.

 

Beatrice

Pode ser um pouco mais profissional às vezes.

 

Urânio

E eu acho que os noves sexuais estão realmente o tempo todo prestando atenção em você e não em si mesmos, e eles tendem a concordar com você, e parecem ser calmos e receptivos. Este é o meu número um! Qual é o seu número um?

 

Beatrice

Meu número um é dois. E não é por orgulho. Eu só estava pensando com quem eu interajo no mundo que parece extremamente amigável. E é frequentemente quando eu conheço outros dois, especialmente a autopreservação e o social. Porque acho que os dois sociais se enquadram em duas categorias. Acho que alguns dois sociais estão entre as pessoas mais amigáveis de todos os tempos. Eles são muito efusivos e extrovertidos e muito sintonizados com outras pessoas. Acho que outros dois sociais podem ser um pouco mais difíceis, um pouco mais fortes, mais implacáveis. Eu sei que os dois autopreservação tendem a ser muito charmosos e extrovertidos. E não estou falando apenas de mim, mas quererem causar uma boa impressão e agradar muito. E então, eu meio que coloquei o dois. Acho que os dois sexuais são um pouco mais remotos, às vezes. Eles tendem a ser um pouco mais focados em uma ou duas pessoas e não em todos, nem todos recebem o tratamento super amigável, embora certamente alguns dois sexuais sejam extremamente amigáveis.

 

Urânio

Então, basicamente, você está dizendo que é a pessoa mais amigável que conhece.

 

Beatrice

Bem, eu tenho que dizer, isso não é totalmente uma coisa do orgulho, porque eu não acho necessariamente que ser amigável é… porque às vezes quando eu encontro os dois, para ser sincera, e eles são super amigáveis, eu penso, “uau, essa pessoa está realmente fora de contato com sua raiva.” É quase como se eles fossem um pouco como o uma autopreservação que pode ser super amigável e ter a formação reativa, que é o mecanismo de defesa do tipo um, e não sente o quão ressentidos eles são. Acho que às vezes os dois podem ser assim. Como se eles fossem quase amigáveis demais. E eu sempre penso, “ah, tem algo acontecendo naquela pessoa que ela não está enxergando, porque se pudesse entrar mais em contato com seu ressentimento, raiva ou mesmo tristeza, provavelmente não seria tão amigável.” Então, não estou necessariamente dizendo que isso é sempre uma coisa saudável, mas acho que é o dois.

 

Urânio

Acho que você pode estar certa.

 

Beatrice

Acho que eles realmente vão de encontro aos outros. Você sabe, é como se eles realmente …

 

Urânio

E os dois, diferente dos noves, eles vão até as pessoas, eles são mais proativos.

 

Beatrice

Exatamente. Eles são realmente ativos em fazer as coisas por você. Inclusive, estamos agora na casa de uma dois adorável!

 

Urânio

Estamos no Egito agora.

 

Beatrice

Estamos no Egito agora e ela está fazendo muito por nós e é incrivelmente generosa. E parece muito saudável no caso dela, mas apenas uma presença muito amigável desde o momento em que a vemos.

 

Urânio

Sim. Este é Abdul-Rahman Abdullah, um amigo nosso aqui no Egito. Ok, Bea, adorei falar com você. E você, que ouve este podcast. Nós esperamos que você tenha aproveitado muito isso. E fique ligado no podcast Eneagrama 2.0.

 

Mulher

Clique em curtir para ajudar a divulgar nosso podcast.

 

Homem

Obrigado pelo seu tempo!

 

Vinheta

Eneagrama 2.0, descubra sua personalidade, Chestnut Paes Enneagram Academy. Qual é o seu tipo, qual é o seu subtipo, tanto que você pode aprender. Você pode ser incrível, vá em frente e se transforme. É para você e os outros crescerem e seguirem o fluxo. E também para o planeta, deixe sua mente explodir. É da Bea e do Urânio, hora de você conhecer e ser o seu melhor com o Eneagrama 2.0. Psicologia, autodomínio, trabalho, relacionamentos, espiritualidade. Venha e participe do podcast, ah sim, vai ser divertido. Explore os desafios que a partir de agora você vai superar. Eneagrama 2.0. Sintonize, é a sua personalidade. Eneagrama 2.0 Chestnut Paes Enneagram Academy, Hey! Eneagrama 2.0 sintonize agora.